O que é comércio eletrônico?

Por: Talitha Adde

imagem de um computador, com embalagens e um cartão de crédito, que representa um comércio eletrônico

Comércio eletrônico é o nome dado ao processo de compra e venda de produtos e serviços pela internet. Ele pode se dar por meio de lojas virtuais, marketplaces ou redes sociais.


O comércio eletrônico, ou e-commerce, tornou-se uma estratégia amplamente utilizada por quem deseja ter sucesso com vendas online. E não é à toa:para aumentar a receita do seu negócio, é preciso marcar presença na internet, onde estão os principais canais de venda da atualidade.

Somente em 2020, as lojas virtuais tiveram 42,9 milhões de consumidores únicos, sendo 47% deles — cerca de 20 milhões — estreantes nesta modalidade de compra.

Você quer aproveitar essa tendência de mercado? Então confira, neste artigo, o que é comércio eletrônico e como criar a sua própria loja virtual de sucesso. Vamos nessa?

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

O que é comércio eletrônico?

Comércio eletrônico é o modelo de compra e venda de produtos ou serviços pela internet.

Nesse tipo de negócio, o cliente acessa uma loja virtual, um marketplace ou a página de uma marca nas redes sociais e pode:

  • Selecionar o que deseja comprar;
  • Escolher a melhor forma de pagamento (cartão de débito, crédito, boleto ou Pix);
  • Determinar o meio de envio (como Correios ou transportadora) para receber o produto em casa.

Existem diversos tipos de comércio eletrônico e, ao longo deste artigo, vamos te apresentar a cada um deles. Mas, antes disso, veja como funciona o e-commerce.

Como funciona o comércio eletrônico?

Para entender melhor o conceito do comércio eletrônico e qual é o seu principal objetivo, é importante saber como funcionam as etapas de venda no e-commerce. Veja a seguir:

Canal de venda

No comércio eletrônico, os produtos são anunciados em páginas que funcionam como uma vitrine virtual dentro da sua loja online ou marketplace, se for o caso.

Essas páginas devem conter fotos e descrições dos produtos com as características e especificações técnicas de cada item.

De forma geral, uma boa descrição de produto no e-commerce precisa atender os quesitos abaixo:

  • Explicar o que é o produto, do que é feito, como pode ser usado e quais benefícios oferece;
  • Demonstrar conhecimento sobre o produto vendido, o que transmite confiança para o seu cliente;
  • Diferenciar a sua loja da concorrência;
  • Evitar atendimentos desnecessários,já que os clientes podem encontrar todas as informações e não precisam entrar em contato para tirar dúvidas.

Com essas informações visíveis para o seu cliente, ele pode adicionar as mercadorias que deseja ao carrinho de compras e efetuar o pagamento.

👉 Saiba mais: Como cadastrar um produto?

Meios de envio e pagamento

Para realizar o pagamento, o cliente precisa fazer um cadastro na loja virtual, no marketplace,ou apenas fornecer nome, CPF e endereço de entrega. Esse tipo de exigência varia a cada caso.

Assim que preenchido o endereço para entrega dos produtos, o consumidor pode calcular o valor e o prazo do frete, optar por como quer recebê-los e escolher o meio de pagamento de sua preferência.

Para o envio, algumas plataformas oferecem gateways de frete, um sistema voltado ao gerenciamento automático de contratos com transportadoras, tabelas de preços e dados de frete, que pode ser integrado como um plug-in a um e-commerce.

Uma vez integrado a uma loja virtual, um sistema de gateway de frete funciona do seguinte modo:

  • Um cliente é atraído à sua loja por meio de um anúncio de produto que viu online;
  • Logo depois, seleciona o produto no carrinho de compras e informa o CEP;
  • Em seguida, então, o gateway de frete calcula preços e apresenta várias propostas de entrega;
  • O consumidor, enfim, escolhe a melhor proposta, paga e recebe a compra como desejado.

Já para fechar a compra, também existem os gateways de pagamento, que permitem que a loja online ofereça as formas tradicionais: boleto, cartão de crédito, débito ou Pix. É importante saber como escolher a plataforma de pagamentos ideal para garantir a segurança do seu negócio.

💡 Saiba mais: Quais são e como funcionam os meios de pagamento para e-commerce

Entrega do produto

Quando a loja recebe o pedido de compra, é preciso separar os produtos para enviar ao comprador.

Feito o processo de embalagem, é necessário entregar o pacote para a transportadora ou nos Correios, de onde é enviado para o endereço do seu cliente final.
Para evitar que o seu cliente receba o produto além do prazo apresentado, existem dois cuidados básicos a serem adotados:

  • Disponibilizar para vendas somente produtos com estoque para entrega imediata;
  • Embalar e despachar os produtos com antecedência.

Além disso, no e-commerce, é possível contar com modelos logísticos que podem atender as necessidades dos mais variados tipo de negócio. Tais como o dropshipping e o crossdocking.

💡 Saiba mais: Como escolher a melhor transportadora para e-commerce

Estásticas do comércio eletrônico

O comércio eletrônico sempre foi relativamente forte no Brasil, mas a pandemia do Coronavírus serviu para consolidá-lo como uma peça-chave dentro do setor de varejo e compras. Avalie, agora, algumas estásticas do comério eletrônico:

  • Somente no primeiro semestre de 2020, o e-commerce no Brasil teve um aumento de 47% em seu faturamento,conforme informações da Ebit|Nielsen;
  • Em 2021, o e-commerce no Brasil deve ter um aumento de 26% nas vendas, o que pode render em um faturamento de R$ 110 bilhões, de acordo com a E-marketer;
  • Dados da Mastercard e da Americas Market Intelligence (AMI) indicam que, em 2020, 46% dos brasileiros aumentaram as compras online e 7% compraram na internet pela primeira vez  em 2020 — tudo isso em decorrência do isolamento social;
  • A tendência é que o amadurecimento do e-commerce renda bons frutos em 2021. Isso porque um estudo da empresa de ciência de dados dunnhumby aponta que 59% dos novos e-shoppers continuam comprando online.

Levando estes dados em consideração, é possível identificar não apenas a amplitude do comércio eletrônico no mercado digital, mas como também o amadurecimento da modalidade no Brasil.

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

Vantagens do comércio eletrônico

O comércio eletrônico traz inúmeras vantagens para os vendedores que optam pelos meios digitais e também para seus clientes. E como os dados acima mostraram, isso vale, principalmente, para quem está começando a empreender na internet!

Animado para começar a empreender online? Conheça, agora, as principais vantagens do comércio eletrônico.

1. Vendas a qualquer hora

Você sabia que mais de um terço das buscas por produtos online são feitas entre 22h e 4h da manhã?

Surpreso? Então, agora vamos ao ponto principal: no comércio eletrônico, você pode deixar os produtos à disposição dos seus clientes 24 horas por dia!

E ainda tem mais: você pode vender para consumidores em quaisquer localizações, que podem acessar a sua loja virtual, onde, quando e como quiserem. A única condição é que você tenha como enviar os itens para os endereços deles.

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

2. Relatórios completos sobre o seu público

O comportamento do seu cliente é um dos fatores mais importantes para guiar sua estratégia no comércio eletrônico.

A partir da análise de métricas, é possível saber quantas pessoas acessaram a sua loja virtual, o que mais buscaram no seu e-commerce e por quais páginas navegaram: tudo isso por meio de ferramentas como o Google Analytics (que é gratuito).

Assim, fica mais fácil ter as ferramentas essenciais para identificar gargalos e otimizar a gestão de operações e logística da sua loja virtual, melhorar o atendimento ao cliente na sua plataforma e desenvolver estratégias de marketing.

3. Custos e investimentos menores

Montar uma loja física é muito mais trabalhoso e caro do que vender por meio do comércio eletrônico. Isso acontece porque o processo físico envolve mais burocracia e necessita de investimentos mais altos.

Em uma loja virtual, por outro lado, o investimento é menor, considerando que os primeiros passos consistem em escolher e comprar um domínio próprio, além de contratar uma boa plataforma de e-commerce que permita criar um site com layout personalizado, responsivo e funcional para o seu cliente.

Mesmo depois dessa etapa inicial, os custos com o comércio eletrônico continuam sendo mais baixos do que os de uma loja física. Valores destinados ao gerenciamento e à manutenção de um e-commerce, por exemplo, são muito mais em conta se comparados com aluguel e instalação de um estabelecimento físico.

Crie sua loja virtual
Testar 30 dias grátis

4. Visibilidade dos produtos

97% dos consumidores digitais buscam informações de produtos na internet antes de comprar em lojas físicas. Essa informação é valiosa para quem tem um e-commerce, que funciona como uma verdadeira vitrine para quem gosta de comparar preços e ver cada detalhe antes de fechar uma compra.

Para facilitar a localização dos itens pelo consumidor, é essencial escolher uma plataforma que ofereça um bom recurso de busca dos produtos, assim como catálogos online para organizar a informação e filtros por categoria ou preço.

A plataforma da Nuvemshop, por exemplo, oferece tudo isso, além de contar com estabilidade do servidor, que deixa as lojas no ar durante 99,9% do ano.

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

Tipos de comércio eletrônico

Existem quatro tipos de comércio eletrônico para quem quer fazer vendas online. Vamos conhecê-los:

1. B2C (Business to Consumer)

O B2C é o modelo mais comum de comércio eletrônico. Nele, o foco é o consumidor final.

Neste tipo de negócio, existem dois segmentos de vendas: ou focado em um nicho de mercado, ou com diferentes produtos disponíveis para venda, como o Magazine Luiza.

Alguns exemplos de e-commerce B2C são:

2. B2B (Business to Business)

O B2B é o modelo de venda que comercializa produtos de empresas para outras empresas.

Ou seja, aqui, o foco são pessoas jurídicas (que têm CNPJ) e não pessoas físicas (com CPF). Para isso, este tipo de negócio oferece soluções que resolvem problemas no dia a dia dos negócios.

Alguns exemplos de e-commerce B2B são:

  • Loja virtual de hardware de computadores Dell;
  • O e-commerce ImpressorAjato.com, especializado em artigos profissionais para impressão.
  • Desagi, que vende roupa para atacado.

💡 Saiba mais: Como desenvolver estratégias de marketing B2B

3. C2B (Consumer to Business)

O C2B é um serviço muito utilizado por profissionais que não têm uma empresa formalizada (autônomos ou freelancers), mas prestam serviços e oferecem soluções a pessoas jurídicas (empresas).

Alguns exemplos de comércio eletrônico C2B incluem:

4. C2C (Consumer to Consumer)

O C2C é o modelo de comércio eletrônico que permite a relação entre consumidores, como acontece em marketplaces.

Um exemplo clássico deste tipo de vendas é o Mercado Livre, em que os integrantes podem vender seus próprios objetos ou insumos a outros consumidores. Nesse sentido, também, podemos citar o Enjoei, um brechó online de roupas, sapatos e acessórios.

Entendido até aqui? Agora, vamos conhecer os canais de vendas do comércio eletrônico.

Canais de vendas do comércio eletrônico

Além das modalidades de comércio eletrônico, é importante que você conheça os canais de vendas que podem ser utilizados para vendas online. São eles:

Loja virtual

Com este recurso, geralmente, é utilizado uma plataforma de e-commerce para criar o seu negócio online.

Neste modelo, você pode personalizar os elementos da sua loja virtual e integrá-la com redes sociais e marketplaces, como o Mercado Livre, a Shopee e a Amazon.

Nesse contexto, a plataforma da Nuvemshop é recomendada para isso: em poucos minutos você consegue criar a sua loja virtual e começar a vender pela internet. Além disso, você pode fazer integrações com meios de pagamento e ferramentas de envio sem complicações.

Crie sua loja virtual
Testar 30 dias grátis

📹 Veja: Como montar uma loja virtual? 

Marketplaces

O marketplace é um canal de venda muito famoso no comércio eletrônico que permite, além da integração de lojas virtuais com a plataforma, o anúncio de produtos diretamente pelo sistema.

Sua principal vantagem é que, por receber muitos acessos todos os dias, seus produtos têm bastante exposição quando anunciados nesses canais. No entanto, por se tratar de uma plataforma externa, normalmente não existe a opção de personalização da sua vitrine virtual.

💡 Saiba mais: O que é marketplace e como funciona este canal de venda?

Redes sociais

Com o Instagram Shopping e a loja do Facebook, é possível vender seus produtos e aumentar o alcance da sua loja virtual ao integrá-la com essas redes sociais, caso você tenha seu e-commerce.

Com o recurso, você pode ofertar produtos para quem segue ou seu perfil, ou demonstra interesse por produtos semelhantes.

💡 Saiba mais: Canais de venda: o que são e como usá-los a favor da sua marca

Como começar no comércio eletrônico

Agora que você já conhece as vantagens e diferentes tipos de comércio eletrônico, você deve estar se perguntando o que é necessário para criar a sua loja virtual. E nós podemos te ajudar com algumas dicas essenciais:

1. Defina o seu produto e público

A primeira etapa é definir quais produtos você pretende comercializar online. Para isso, podemos te ajudar com a nossa lista do que vender na internet.

Além disso, é importante ser específico. Então, em vez de decidir apenas que vai vender doces, por exemplo, planeje qual será o cardápio: bolos, doces para festas, brigadeiro etc. Quanto mais específico, melhor.

Isso porque, para garantir que você encontrará espaço em um mercado com tantas opções, é necessário saber qual problema ou necessidade do público a sua loja virtual pode resolver. Desse modo, fica mais simples escolher com assertividade.

O próximo passo é descobrir exatamente quem é o público-alvo do seu negócio, ou seja, qual é o perfil de cliente que consome (ou vai consumir) os seus produtos.

Conhecendo o seu cliente (comportamento e hábitos, por exemplo), você consegue trabalhar melhor promoções, ofertas e exatamente o que vender.

Por exemplo, se você tem uma loja de acessórios masculinos, pode criar um kit com os produtos mais vendidos do seu e-commerce no Dia dos Pais.

Outra vantagem de ter o seu público bem definido é saber exatamente como se comunicar com ele.

A partir disso, você consegue entregar conteúdos, como o e-mail marketing (canal direto de comunicação com o seu público, que você pode usar para estreitar o relacionamento e gerar vendas), mais atrativos e personalizados.

💡 Saiba mais: Defina o alcance do seu negócio: qual é o seu público-alvo?

📹 Veja também: Quanto custa criar uma loja virtual?

2. Escolha uma plataforma de confiança

Depois de planejar como será a sua marca, a etapa seguinte é escolher uma plataforma de comércio eletrônico confiável. Alguns detalhes a que você deve ficar atento nesta etapa são:

  • Suporte: este é um ponto essencial para a sua decisão. Aqui, leve em conta que plataformas de e-commerce precisam ter uma frequência de resposta que seja satisfatória para solucionar os seus problemas do dia a dia;
  • Integrações: escolher uma plataforma que oferece integrações com marketplaces, serviços de marketing, sistema de gestão de logística, meios de pagamento e gateways de frete é uma maneira de permitir que a operação da sua loja se torne escalável e queo seu negócio cresça;
  • Layout responsivo: ao considerar que sete a cada dez compras online são feitas por um smartphone,ter uma loja virtual com um layout responsivo, ou seja, cujo conteúdo é adaptável a qualquer dispositivo, é um fator importante para levar em consideração e aumentar a capacidade competitiva do seu negócio.

Nesta etapa, não deixe de conferir os planos iniciais e escolher uma solução que poderá escalar à medida que o seu negócio crescer.

Existem diversas opções de ferramentas para loja virtual no mercado e é importante que você se atente aos principais pontos na hora de escolher a melhor para o seu negócio.

Crie sua loja virtual
Testar 30 dias grátis

💡 Saiba mais: Comparativo de plataformas de e-commerce 2021

3. Escolha bons fornecedores

Escolher bons fornecedores é uma das etapas mais importantes no comércio eletrônico.

Para isso, pesquise quem pode atender as necessidades da sua empresa, quais condições de pagamento oferecem, prazos de entrega, condições de produção e reputação no mercado.

Procure fornecedores que, antes de mais nada, ofereçam qualidade. O produto precisa chegar em boas condições ao seu destino. Então, fornecedores que se preocupam com embalagens adequadas são um diferencial que você deve observar.

Por fim, após levantar uma lista com os principais fornecedores, você precisa analisar quem cumpre com os seus requisitos e tem o melhor preço.

💡 Saiba mais: Como escolher bons fornecedores para a sua empresa

4. Tenha certificados de segurança

Garantir segurança para o seu cliente na hora da compra é um fator importante em um e-commerce, uma vez que, na hora de fechar uma compra, são compartilhados dados pessoais e bancários com o seu sistema.

Portanto, você pode tornar seu e-commerce seguro por meio de:

  • Certificados de segurança, como o SSL, que permitem que o navegador do cliente estabeleça uma comunicação criptografada autêntica e confiável com a loja;
  • Selos de segurança, que são dados por empresas especializadas no ramo;
  • Uso de computação em nuvem para armazenar os dados.

Por último, vale lembrar que, se você tem uma loja Nuvemshop, é possível ativar esse certificado de segurança para seu domínio com um passo a passo simples.

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

5. Garanta um processo eficiente de logística

A logística do seu comércio online deve ser muito bem estruturada para evitar reclamações e a insatisfação dos seus clientes.

Hoje, os meios mais usados para realizar entregas online são os Correios e as transportadoras particulares.

Nos Correios, a principal vantagem é o alcance a praticamente todo o território nacional, além dos preços mais competitivos de entrega. Ademais, é possível fechar um contrato com a estatal, que permite diversos benefícios às lojas virtuais, como a coleta das encomendas e o pagamento mensal pelos serviços.

Já com uma transportadora, você não precisa se preocupar com a restrição de peso para os pacotes — diferentemente dos Correios, que têm o limite de 30 quilos — e pode negociar os valores.

Também existem outras opções, como a entrega expressa na região próxima ao Centro de Distribuição da sua loja virtual, com motoboy, bicicleta ou carro particular da empresa.

Definido o seu processo de entrega, é importante se planejar para atender o cliente no prazo estipulado, contornar imprevistos no processo de entrega e evitar que exista um alto custo para a sua operação com a logística reversa, que é quando um cliente precisa devolver um produto.

6. Determine os seus canais de atendimento

O atendimento ao cliente é um ponto essencial para ter sucesso no comércio eletrônico. Por isso, oferecer diversos meios de comunicação para que as pessoas possam entrar em contato é importante para ficar por dentro das dores dos clientes e, ainda, atender o maior número de usuários possível com agilidade.

Estão entre os principais canais de atendimento:

Assim sendo, desenvolva uma estratégia de atendimento e capacite uma equipe para isso, caso você já tenha uma loja virtual estruturada.

Se você é o único responsável pelo atendimento, separe períodos dos dias para responder aos contatos realizados. Outra dica é deixar visível em seus canais digitais, como o Whatsapp, seu horário de atendimento.

Por fim, com toda a estrutura de seu e-commerce já pronta, com produtos cadastrados e uma boa ferramenta de atendimento ao cliente, está na hora de começar sua operação fazer a sua primeira venda online.

💡 Saiba mais: Checklist para loja virtual: passo a passo para vender no comércio eletrônico

Resumo

Ao longo deste artigo, você viu alguns conceitos e vantagens sobre o comércio eletrônico, além de quais são os tipos e canais de venda de e-commerce existentes.

O comércio eletrônico tem se mostrado uma excelente alternativa para negócios que desejam ganhar visibilidade, alcançar novos públicos, trabalhar com produtos de nicho e aumentar as vendas.

Antes de terminarmos, veja um resumo rápido sobre o conteúdo:

O que é comércio eletrônico?

Comércio eletrônico significa vender pela internet. Nesta modalidade, todo o processo de compra e venda, assim como as transações financeiras, são feitas totalmente online.

Vantagens do comércio eletrônico

  • Produtos disponíveis para compra e venda 24h por dia
  • Relatórios completos sobre o comportamento do seu cliente
  • Custos e investimentos menores do que uma loja física
  • Maior visibilidade dos produtos

Tipos de comércio eletrônico

  • B2C (Business to Consumer)
  • B2B (Business to Business)
  • C2B (Consumer to Business)
  • C2C (Consumer to Consumer)

Canais de vendas de comércio eletrônico

  • Loja virtual
  • Marketplaces
  • Redes sociais

Como começar no comércio eletrônico

  1. Defina o seu produto e público-alvo
  2. Escolha uma plataforma de confiança
  3. Escolha bons fornecedores
  4. Tenha certificados de segurança
  5. Garanta um processo eficiente de logística
  6. Determine os seus canais de atendimento

Se você pretende aproveitar as vantagens do comércio eletrônico e criar sua loja virtual, te convidamos a testar 30 dias grátis na plataforma da Nuvemshop. Você pode criar seu e-commerce em menos de 10 minutos e começar a faturar pela internet.

Aqui você encontra:

Faça como +90 mil lojas e
crie a sua Nuvemshop

Testar 30 dias grátis
Crie a sua loja na Nuvemshop

Faça um teste gratuito da Nuvemshop!

Crie a sua loja Nuvemshop em menos de 10 minutos e comece a vender online.

Testar 30 dias grátis

Nosso site utiliza cookies para te proporcionar uma melhor experiência. Ao acessar o site da Nuvemshop, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies