Quais as principais formas legais de importação para seu e-commerce

Se você está montando seu negócio e quer vender produtos importados na sua loja online, mas ainda não sabe como começar, vamos te mostrar como é possível realizar a importação legalmente e, claro, ser competitivo.

Escolha o mercado certo

A primeira coisa que você precisa saber é que não são todos os tipos de produtos que são vantajosos para importar e vender no seu e-commerce. O segredo é pensar em produtos baratos, que vendam bastante e que tenham chances menores de apresentarem defeitos de fabricação.

Em outras palavras, não pense que quanto mais alto o valor do produto melhor, mas sim em um produto que você possa comprar barato e vender com uma boa margem de lucro.

Bolsas, roupas de bebê, bijuterias ou acessórios masculinos, por exemplo, são produtos que você consegue revender facilmente por um preço maior e, assim, ter uma margem de lucro até maior do que a de eletrônicos.

Exemplo: você compra um vestido por 30 reais de um fornecedor chinês. Na sua loja, com uma boa apresentação, possibilidade de parcelamento e um bom serviço de entrega, você consegue agregar valor ao seu produto e vendê-lo por até 120 reais.

Provavelmente com esse valor, seu produto ainda será atrativo e o preço pelo qual foi vendido cobrirá qualquer gasto que você tenha no pós-compra. Mesmo que o cliente peça para trocar o produto por defeito, você já terá ganho mais que o dobro na revenda.

No entanto, se você possui uma loja de eletrônicos e compra para revender um celular por 500 reais que tem um preço de mercado de 700 reais, sua margem de lucro será menor, pois você não poderá aumentar tanto assim o preço do produto sem que ele perca a competitividade e nem estará coberto caso o item apresente algum defeito e o consumidor peça para trocar.

Uma boa dica é lembrar que para um produto importado se tornar financeiramente atraente você deve tentar vendê-lo por um valor cerca de 20% menor que os seus concorrentes.

Formas de importar legalmente

Após escolhidos os produtos que você vai vender na sua loja virtual, o segundo passo é entender como será feita a importação. Existem duas formas principais que você pode utilizar para trazê-los ao Brasil e vamos te explicar quais as principais características de cada uma para você escolher a que combina mais com o seu negócio.

Dropshipping

O dropshipping é a forma mais conhecida no mundo do e-commerce de vender produtos importados. Basicamente, a principal vantagem do dropshipping é você não precisar ter um estoque físico. Em outras palavras, você não precisará investir em um produto e correr o risco de acabar com o estoque encalhado. Ou seja, para cada compra feita na sua loja você deverá entrar em contato com o seu fornecedor e solicitar que ele envie a mercadoria diretamente ao seu cliente.

Por exemplo: o consumidor entrará na sua loja online e comprará um vestido que você oferece. Assim que receber a solicitação de compra, você deverá acessar o site do seu fornecedor e comprar esse produto, colocando no endereço de entrega os dados do seu cliente.

O dropshipping é uma forma de negociação triangular, ou seja, que inclui o fornecedor, o cliente e você, como sendo o intermediador da venda. É principalmente indicado para empreendedores que não possuem muito dinheiro para investir em locação de espaço para armazenagem do estoque ou que ainda estão testando a aceitação dos produtos no mercado.

Já as principais desvantagens são a demora na entrega da mercadoria, pois ela será enviada de outro país, e o fato de que o produto não pode ser adquirido no exterior por um valor superior a 50 dólares. Caso ultrapasse essa quantia, corre-se o risco de ter que pagar uma taxa de importação de 60% sobre o valor do mesmo, o que muitas vezes não compensa.

Importação direta

Na importação direta você compra o produto do seu fornecedor antecipadamente e armazena o estoque em um local próprio, já em território nacional. Para isso, você precisará ter a chamada Licença Radar de importação e passar por todo o processo de desembaraço aduaneiro.

Se por acaso você tem interesse nessa opção, mas está começando agora, talvez seja indicado procurar uma trading, empresas que intermedeiam as importações em troca de uma comissão. Por serem especialistas nesse tipo de operação, elas irão te instruir e agilizar o processo de importação da sua mercadoria.

Essa modalidade é indicada caso você já esteja seguro de que vai importar grandes quantidades dos produtos regularmente e quer dispô-los para pronta entrega. O processo de importação direta é burocrático e pode ser custoso, portanto, é indispensável consultar algum especialista ou mesmo o Sebrae para ter certeza de que essa é a melhor opção para o seu negócio.

Outra forma mais simples de importar do exterior é através do serviço Importa Fácil dos Correios. Essa opção é indicada caso você seja um micro ou pequeno empreendedor e você poderá utilizá-la assim que criar um CNPJ e o Registro Estadual para o seu negócio online.

O Importa Fácil permite que você realize importações de até três mil dólares por vez e em uma quantidade ilimitada, desde que o peso não ultrapasse 30 quilos por remessa. A principal vantagem é que você pode contratar, por uma taxa extra, os serviços dos próprios Correios para desembaraço da sua mercadoria, o que facilita bastante caso você não tenha experiência com esse tipo de processo.

Resumo

Definir o tipo de produto que você vai vender e também o mercado em que você vai trabalhar é essencial para começar bem seu empreendimento online.

No caso da importação, entender melhor qual é o tipo mais indicado para o seu negócio também vai ajudá-lo a estruturar seu e-commerce e torná-lo vantajoso para você e seus clientes.

Se você esta pensando em abrir sua loja online para vender produtos importados, aproveite a oportunidade e teste a Nuvem Shop por 15 dias grátis.


O que você achou desse conteúdo?


Renata Estevo

Renata é formada em relações internacionais e trabalha como consultora de e-commerce na Nuvem Shop. Adora colecionar cartões postais, não perde um jogo do seu time do coração, o Chelsea FC, e também não passa um dia sem usar o Pinterest.


    quais-as-principais-formas-legais-de-importao-para-seu-e-commerce