O que é SEO, para que serve e como o Google funciona?

Por: Victoria Salemi
O que é SEO, para que serve e como o Google funciona?

Aqui você encontra:

Provavelmente, você já ouviu falar na importância de ter um site que apareça no Google. Mas você sabe o que é SEO e como isso pode te fazer ser notado pelo público?

Se a resposta não está tão clara na sua cabeça, não se preocupe. Ao longo deste artigo vamos entender tudo sobre o universo da otimização para os mecanismos de busca!

O que é SEO e para que serve?

SEO é uma sigla que significa Search Engine Optimization — ou otimização para mecanismos de busca. Desse modo, essa estratégia visa a algumas ações em seu site (e também fora dele) para facilitar sua identificação pelos buscadores, como Google, Yahoo e Bing, e apresentar suas páginas em um resultado de pesquisa para os usuários.

O termo “Search Engine Optimization”, ou SEO, foi citado pela primeira vez em 1997, no livro Net Results, de Bob Heyman, Leland Harden e Rick Bruner. Naquele contexto, foi relatado o caso de uma banda que questionou aos profissionais por que, quando seu nome (Jefferson Starship) era pesquisado no Google, o site do grupo aparecia na quarta posição.

Depois desse questionamento, a palavra-chave com o nome da banda foi utilizada mais vezes na página, seu ranqueamento entre os resultados melhorou e Heyman, Harden e Bruner passaram a chamar a (então) nova estratégia de otimização para mecanismos de busca pelo nome de “SEO”.

Qual a importância do SEO?

Investir no SEO é importante para garantir que seu site receba visitas sem depender exclusivamente dos anúncios como fonte de tráfego. Se, por exemplo, alguém pesquisa pelo termo “camisa de flanela xadrez”, você oferece esse produto e tem seu e-commerce otimizado, idealmente sua página vai aparecer como um dos principais resultados.

Tenha em mente, apenas, que o Google leva muitos aspectos em consideração na hora de classificar os sites — vamos conhecê-los melhor adiante — e que a estratégia de SEO leva tempo para ser desenvolvida e surtir o efeito desejado. Então, não vai ser da noite para o dia que seu site estará na primeira posição do Google, ok?

Para aparecer com destaque no Google, você poderia pensar “tudo bem, eu posso pagar um anúncio”. Mas essa é uma estratégia que deve ser usada em conjunto com o SEO por dois principais motivos:

  • Você barateia o custo de aquisição de clientes (CAC) ao não depender apenas de anúncios;
  • Os brasileiros confiam 77% mais em resultados orgânicos do que em links patrocinados, conforme estudo da agência Conversion.

Nesse contexto, investir em SEO é fundamental para que mais pessoas acessem seu site, conheçam seus produtos ou serviços e, idealmente, aumentem suas conversões. Se você tem uma loja virtual e quer saber tudo sobre SEO para e-commerce, confira nosso guia completo sobre o assunto:


Saiba mais...

Como o Google funciona?

De modo resumido, podemos dizer que o Google possui vários robôs que fazem uma varredura pelas páginas disponíveis online. Eles viajam entre os diferentes endereços por meio de links entre o próprio site e também para outros domínios.

Nessa varredura — chamada de crawling —, os robôs, conhecidos pelo nome Googlebot, fazem a leitura das páginas para identificar sobre o que cada uma delas trata. A cada endereço lido, a página é indexada.

Indexar a página significa dizer que ela passará a constar no diretório do Google. A partir daí, a cada vez que uma pesquisa é feita por um usuário, o buscador checa seus registros e oferece aquelas que entende como mais adequadas à dúvida do usuário.

A seguir, vamos conhecer os fatores que o Google leva em consideração na hora de classificar os sites na página de resultados (conhecida como SERP, do inglês “Search Engine Result Pages”). Mas, antes, caso queira entender melhor sobre a indexação de um site, confira:


Saiba mais...

Os fatores de ranqueamento do Google

O Google possui mais de 200 fatores de ranqueamento para analisar e classificar as páginas em seus resultados e, infelizmente, não há um guia da própria empresa que deixe todas essas diretrizes claras.

Todavia, existem vários deles bastante difundidos e testados pelos profissionais do SEO. Por isso, é importante conhecê-los e buscar otimizá-los em seu site.

Autoridade da página e do domínio

Cada página e cada domínio possui uma autoridade. Podemos considerá-la como sua força, indicada pela relevância do site. Ela é construída a partir de links externos apontando para essas páginas/domínio, citações na mídia, tempo de existência, qualidade dos conteúdos e muitos outros fatores que ainda vamos ver.

Esse aspecto é atribuído por meio de uma nota, que pode variar de acordo com a ferramenta de SEO que você estiver consultando. Vale dizer que o próprio Google não fornece a nota dessa autoridade, mas a considera na hora de apresentar resultados.

Assim como a linkagem externa apontando para suas páginas é importante para autoridade, ela também influencia no ranqueamento das páginas.

Isso porque, quanto mais sites linkarem o seu — de forma natural, sem que você compre links —, o Google entende que você tem um conteúdo valioso e que vale a pena ser apresentado às pessoas.

Qualidade do conteúdo

Como acabamos de mencionar, o Google procura exibir resultados valiosos a quem faz uma pesquisa. Portanto, a qualidade do conteúdo é fundamental para que uma página fique bem posicionada.

Isso quer dizer que o site deve apresentar o que o usuário quer saber, responder todas as suas dúvidas ou apresentar as melhores opções do produto pesquisado. Por exemplo, se alguém pesquisa “tênis nike de corrida feminino”, não adianta você usar essa palavra-chave na sua página e apresentar tênis de basquete como opções.

Adequação à palavra-chave buscada

Lembra-se da história sobre a página da banda Jefferson Starship que precisou incluir a palavra-chave (no caso, seu próprio nome) mais vezes no conteúdo para aparecer melhor ranqueada nos resultados? Pois bem, essa lógica se repete até hoje.

Para que uma página fique bem posicionada numa pesquisa sobre girassóis, por exemplo, é preciso que ela fale sobre o quê? Exatamente, girassóis!

Para maximizar as chances de atrair visitantes, você deve fazer um planejamento das palavras-chave e identificar as mais adequadas, tanto em relação ao assunto quanto ao volume de buscas. O próprio Google tem uma ferramenta gratuita para ajudar nessa etapa, que você pode conhecer no artigo abaixo:


Saiba mais...

Tempo de permanência dos usuários na página

O tempo de permanência dos usuários na página também é uma métrica considerada pelo Google na hora de classificar os resultados na SERP. Como o buscador procura apresentar as páginas que melhor respondem à dúvida de quem está pesquisando, as pessoas passarem mais tempo em determinado conteúdo indica que ele é interessante para elas.

Velocidade de carregamento

Você já clicou em um site e precisou ficar esperando vários segundos (ou até minutos) para que ele carregasse? No mínimo, essa é uma situação que prejudica a navegação em uma página.

Por esse motivo, o Google prioriza páginas que tenham uma boa velocidade de carregamento. Tenha em mente que a ideia do buscador é sempre oferecer a melhor experiência às pessoas. Portanto, o tempo de carregamento do seu site é fundamental para o SEO.

Para saber como avaliar a velocidade do seu site por meio da ferramenta Google PageSpeed Insights e melhorar seu tempo de carregamento, leia nosso artigo sobre o tema:


Saiba mais...

Otimização de imagens para SEO

Assim como o texto precisa estar otimizado de modo que o Google entenda sobre o que a página trata, as imagens também precisam. Isso deve ser feito de duas formas.

A primeira é limitar o tamanho dos arquivos por meio de compressores de imagem, como TinyJPG ou Squoosh. Essa ação vai tornar sua página mais leve e, por consequência, colaborar para que ela carregue mais rápido.

Além disso, o Google é incapaz de ler informações que não sejam em texto. Por esse motivo, é interessante que você inclua:

  • A palavra-chave principal no nome do arquivo da foto;
  • Um texto alternativo (Alt Text) que descreva o que há na imagem e, preferencialmente, contenha a palavra-chave;
  • Uma legenda em que conste algum sinônimo ou a própria palavra-chave.

Desse modo, você auxilia o buscador na hora de compreender sobre o que aquela página trata também por meio das imagens.

Responsividade a dispositivos móveis

Outro fator fundamental para ranquear os resultados no SERP é a responsividade de uma página aos dispositivos móveis. Ou seja, sites que não ofereçam uma boa experiência em smartphones ou tablets são bastante prejudicados na hora de serem classificados.

Para certificar-se de que seu site é responsivo, você deve conferir se:

  • Todo o conteúdo pode ser visualizado integralmente na tela do dispositivo móvel;
  • O carregamento da página não demora muito a mais que no computador;
  • Não há imagens que não aparecem com a mesma qualidade que em desktop;
  • Não há pop-ups cobrindo o conteúdo.

Certificado SSL/HTTPS

Por fim, outro fator muito importante para o Google ranquear seus resultados é a presença do certificado SSL. Indicado por um pequeno cadeado ao lado do endereço no navegador, ele garante que todo o site está seguro (por meio do HTTPS no início do endereço). Isso significa que todos os dados inseridos em um domínio permanecem privados, levando, assim, mais segurança ao usuário.

A instalação do certificado SSL vai variar de acordo com a forma que seu site foi criado. Caso você tenha uma loja virtual com a plataforma da Nuvemshop, confira no tutorial sobre como ativá-lo:

Histórico dos algoritmos do Google

Nem sempre os fatores de ranqueamento que acabamos de conhecer foram os mais importantes para o Google. O buscador, inclusive, lança atualizações em seu algoritmo o tempo todo. Então, o SEO é um campo que exige estudo constante, pois sempre há mudanças!

Por isso, vamos conhecer as principais atualizações do algoritmo do Google a seguir:

Florida (2003) 🌴

A primeira grande atualização no algoritmo do Google foi feita em 2003 e mudou os rumos do SEO. Nela, o buscador identificou e derrubou o ranqueamento de sites de baixa qualidade, que se preocupavam apenas em encher suas páginas com palavras-chave (técnica conhecida como keyword stuffing) sem levar praticamente nenhum conteúdo. Muitos deles funcionavam apenas como uma rede de links para a home.

Panda (2011) 🐼

Novamente focando na qualidade do conteúdo das páginas que apresentava em seus resultados, o Google lançou a atualização Panda em 2011. Por meio dela (e de algumas menores que veio fazendo antes), o objetivo era beneficiar sites com bons conteúdos na SERP.

Penguin (2012) 🐧

Na atualização de 2012, chamada Penguin, o Google focou em identificar e penalizar sites que faziam keyword stuffing e que participavam de esquemas de linkagem que vão contra as diretrizes do buscador (técnicas essas conhecidas como Black Hat). A penalização foi feita piorando o ranqueamento desses endereços.

Depois dela, novas versões com esse escopo foram surgindo, até que, em 2016, esse se tornou um fator decisivo para ranqueamento.

Hummingbird (2013) 🐦

A Hummingbird de 2013 foi uma grande revolução no algoritmo do Google. Com ela, o buscador passou a entender o contexto em que as palavras-chave são buscadas e empregadas no conteúdo, além de sinônimos desses termos.

Ademais, houve um grande foco em tornar os resultados cada vez mais relacionados à intenção de busca do usuário. Para isso, fatores como a localização das pessoas e as pesquisas realizadas por elas anteriormente passaram a ser considerados na hora de exibir a SERP para cada usuário.

HTTPS/SSL Update (2014) 🔒

Preocupado com a segurança dos usuários nos sites, em 2014 o HTTPS e o certificado SSL passaram a ser fatores determinantes no ranqueamento dos sites no Google. Ou seja, sites sem esses aspectos dificilmente chegariam às primeiras posições da SERP.

Mobilegeddon (2015) 📱

Em 2015, a atualização Mobilegeddon — nome este que é apenas um apelido, pois a atualização se chamou, oficialmente, Mobile Friendly Update — passou a priorizar sites responsivos aos dispositivos móveis entre os resultados. Aqui, esse não era um fator determinante, mas que passou a auxiliar as páginas otimizadas para smartphones e tablets.

RankBrain (2015) 🧠

RankBrain foi uma atualização por meio da qual o Google passou a utilizar o machine learning para compreender a semântica das buscas. Isso significa que o mecanismo passou a compreender melhor o que os usuários estavam querendo dizer ao fazer uma pesquisa, mesmo que não escrevessem exatamente a palavra-chave.

Um exemplo para que possamos compreender melhor essa atualização é o seguinte: imagine que você pesquisa “qual o maior carnívoro terrestre?”. O Google é capaz de saber sobre que animal você está perguntando, mesmo que você não tenha utilizado seu nome na busca, e te apresentar a resposta.

E, se você ficou curioso para saber qual é o animal, é o urso-de-kodiak (ou urso pardo). 🐻

Fred (2017) 🦴

A atualização Fred surgiu para que o Google pudesse identificar, novamente, sites com conteúdo de baixa qualidade e também com excesso de banners de propaganda. Esse tipo de página, mais uma vez, foi preterido nos resultados do buscador.

EAT (2019) 💪

EAT é a sigla para Expertise, Authoritativeness and Trust — perícia, autoridade e confiabilidade. Por meio dessa atualização, o Google passou a considerar esses fatores na hora de ranquear os sites, especialmente em relação a pesquisas por temas sensíveis (como saúde, finanças ou vendas).

Para um site ser considerado de alta qualidade (e com EAT), ele deve:

  • Demonstrar perícia, autoridade e confiabilidade do autor ou editor do conteúdo;
  • Apresentar uma boa quantidade de bons conteúdos;
  • Ter informações e contatos suficientes sobre quem é o responsável pelo site e/ou de atendimento ao cliente.

Core Web Vitals (previsão: 2021) 📊

Além de todas essas atualizações que já vimos, há mais uma prevista para 2021: a Core Web Vitals. Com foco na experiência do usuário, os principais aspectos considerados serão técnicos e dizem respeito a:

  • Velocidade de carregamento do site;
  • Interatividade da página;
  • Estabilidade do site.

Tudo certo?

Esperamos que este conteúdo tenha te ajudado a entender melhor o que é SEO e para que ele serve, além de como o Google funciona. Afinal, otimizar seu site para os mecanismos de busca é fundamental para atrair visitantes!

Caso você esteja procurando uma plataforma para montar sua loja na internet, a Nuvemshop pode ser o lugar certo pra você, já que todos os nossos layouts seguem as rígidas normas do Google para SEO e te colocam um passo à frente da concorrência.

Gostou? Crie sua loja virtual hoje mesmo e teste os nossos 30 dias grátis! É rápido, fácil e sem a necessidade de conhecimentos técnicos.

Faça como +60mil lojas e
crie a sua Nuvemshop

Testar 30 dias grátis
Crie a sua loja na Nuvemshop

Quer mudar de vida vendendo pela internet?

Crie agora sua loja virtual com a Nuvemshop e venda de maneira profissional.

Criar minha loja

Nosso site utiliza cookies para te proporcionar uma melhor experiência. Ao acessar o site da Nuvemshop, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies