09/03/2016

Qual o caminho da importação para vender seus produtos online

Assuntos relacionados com importação e exportação de mercadorias estão sempre presentes nos noticiários e influenciam os rumos da economia do país. Se você está montando sua loja online e irá trabalhar com importados, saber como funciona cada parte do processo logístico poderá te ajudar a estruturar melhor seu negócio para uma modalidade porta a porta.

1. Produção na fábrica

Antes de firmar o acordo com o fornecedor, que também será o exportador, lembre-se de conferir se ele terá os produtos para pronta entrega, ou seja, já fabricados e à disposição para serem exportados. Isso será importante para o seu negócio se você precisa repor seu estoque ou garantir uma entrega rápida.

Durante o processo de exportação, o fornecedor deve se preocupar também com o carregamento correto dos produtos, chamado de estufagem; isso irá evitar avarias na carga.

Os custos do processo de exportação, seguro da carga e documentação geralmente ficam por conta do próprio fornecedor, pois, por exportarem uma grande quantidade ao redor do mundo, conseguem acordos melhores com as companhias marítimas ou aéreas. Contudo, isso pode ser negociado com seu fornecedor caso sua empresa prefira pagar os custos da importação.

2. Alfândega da origem

A alfândega, também conhecida como aduana, é um posto de controle do governo encarregado de inspecionar toda e qualquer mercadoria que entre ou saia do território nacional. Essas repartições governamentais existem em todos os países e contam com sistemas avançados de conferência de dados para evitar qualquer tipo de fraude. Na maior parte das vezes, tendo a documentação correta em mãos, o exportador poderá embarcar a carga sem problemas passando por uma checagem rápida.

No entanto, pode acontecer de o agente da aduana decidir fazer uma inspeção mais detalhada na carga ou na documentação mesmo se nada estiver errado. No mundo do comércio exterior, essas averiguações são bem conhecidas e nomeadas de “canal amarelo” (quando a documentação passa por uma checagem minuciosa) e “canal vermelho” (quando o container deve ser aberto e revistado fisicamente pelas autoridades).

Nesses dois casos a inspeção gera atrasos no embarque, o que pode causar a perda do mesmo, sendo o exportador obrigado a esperar pelo próximo navio para conseguir despachar a mercadoria. Todavia, na maior parte das vezes você não deverá ter problemas com a alfândega da origem se a documentação estiver em ordem.

3. Modal

Na maioria das vezes utilizam-se navios de carga para fazer o traslado da mercadoria em containers. É um meio de transporte seguro e existem diversas rotas e empresas de transporte marítimo realizando essas operações pelo mundo todo.

Há também a importação aérea, muito mais rápida e, consequentemente, mais cara. Ela é indicada para o transporte de mercadorias com prazo de validade curto, muito delicadas ou de muito valor, como joias.

Na importação direta e de grandes quantidades, isto é, acima de três mil reais, é preciso ter autorização e registro na Receita Federal para conseguir importar como pessoa jurídica. Porém, existem alternativas, como a contratação de uma trading, empresas autorizadas e especializadas em realizar os processos de importação e que podem ajudar sua empresa nesta fase.

4. Alfândega do destino

Assim como a alfândega de origem, a de destino tem o objetivo de averiguar toda a mercadoria que entra no país, principalmente se não há produtos ilegais, como drogas e medicamentos não permitidos no Brasil, ou perigosos, como armas.

Uma outra função da aduana é cobrar pelos impostos de importação caso a mercadoria que você está importando ultrapasse 50 dólares. Se isso acontecer, você deverá pagar as taxas que incidem sobre o valor do produto para que ele seja liberado.

Se você está importando uma grande quantidade pela primeira vez, é aconselhável que procure os serviços de um despachante aduaneiro, pois ele se encarregará de desembaraçar a carga e liberá-la o quanto antes para você.

5. Transportadora

Depois de liberada, a carga poderá ser transportada para o próximo destino, seja ele o galpão onde fica armazenado seu estoque ou a casa do seu cliente (se estiver trabalhando com dropshipping).

No primeiro caso, você precisará contratar uma empresa para carregar e transportar sua mercadoria até o lugar desejado. Por isso é importante conversar antes com seu fornecedor para que ele envie sua encomenda ao porto mais próximo do seu local de armazenamento; isso vai poupá-lo de gastos extras com transporte rodoviário.

Caso deseje importar pelo serviço Importa Fácil dos Correios, a carga poderá ser desembaraçada e entregue ao destino que você escolher pelos próprios Correios.

6. Entrega ao destino final

Se você está trabalhando com dropshipping, é provável que o exportador já possua contrato com alguma transportadora para fazer a entrega das mercadorias e você não terá que se preocupar com isso. Elas serão entregues, portanto, diretamente aos clientes que compraram na sua loja online.

Se o seu negócio é no formato importação direta, após o pagamento do pedido ser confirmado na sua loja virtual você deverá embalar o produto da forma que achar necessário (com a embalagem da sua marca, por exemplo) e postá-lo em uma agência dos Correios com o endereço do seu cliente. Após a postagem, lembre-se de informar ao comprador o código de rastreamento fornecido, assim ele poderá acompanhar a chegada da mercadoria.

Resumo

Entender as etapas do processo de importação é fundamental para que você tenha mais conhecimento sobre os desafios do seu negócio e as opções disponíveis para resolvê-los.

Estar sempre em contato com seu fornecedor internacional e também ligado nas noticias envolvendo as importações te ajudarão a se antecipar aos problemas e também a gerir melhor sua loja virtual.

Se você ainda está procurando uma plataforma de e-commerce para montar seu negócio online, que tal experimentar a Nuvem Shop e testar todas as nossas ferramentas por 15 dias grátis?

Data da última atualização: 29/08/2018


O que você achou desse conteúdo?


Renata Estevo

Renata é formada em relações internacionais e trabalha como consultora de e-commerce na Nuvem Shop. Adora colecionar cartões postais, não perde um jogo do seu time do coração, o Chelsea FC, e também não passa um dia sem usar o Pinterest.


    qual-o-caminho-da-importao-para-vender-seus-produtos-online