O que é e como fazer um mapa conceitual em 6 passos?

Por: Giovanna Ghirardello

Mulheres reunidas montando um mapa conceitual manualmente

Muitas vezes, para solucionar um problema, precisamos nos afastar da situação e tentar analisá-la sob outra perspectiva. Uma forma de fazer isso é por meio do mapa conceitual.

Com formas geométricas, linhas, setas e, claro, palavras, esse esquema é muito útil para relacionar conceitos e informações, proporcionando o surgimento de ideias que podem mudar totalmente a forma como seu negócio opera.

Neste conteúdo, vamos mostrar o que é mapa conceitual, por que esse conceito é importante, como fazer e quais ferramentas podem te ajudar nessa tarefa. Vamos lá?

O que é mapa conceitual?

Mapa conceitual é um diagrama feito para representar de forma visual alguma ideia ou conceito, permitindo correlacioná-los. Ele pode ser construído manualmente ou com o auxílio de uma ferramenta gráfica.

Os conceitos, normalmente, são estruturados hierarquicamente — ou seja, dos de menor importância para os de maior importância — e descritos dentro de retângulos ou círculos, também chamados de nós. Para conectá-los, são usadas linhas e setas, chamadas de arcos.

Nas linhas são usados conectivos ou palavras de ligação que ajudam a criar relação entre as ideias e facilitam a compreensão do que está sendo representado no mapa conceitual.

Para que serve um mapa conceitual?

Embora pareça simples, o mapa conceitual é uma potente ferramenta de estudos e aprendizagem, já que a disposição esquematizada das informações ajuda o indivíduo a compreender o que se deseja analisar.

Inicialmente, os mapas eram construídos a partir de uma ideia ampla e desenvolvidos até se chegar a um conceito mais específico. Pelo menos essa era a proposta sugerida por seu idealizador, o professor Joseph Novak.

Em meados da década de 1970, nos Estados Unidos, o acadêmico notou que estruturar as ideias como se fossem blocos ajudava a memorizar conceitos e entender assuntos complexos e abstratos. Nascia, aí, o mapa conceitual.

No entanto, a utilização dessa ferramenta não fica restrita apenas ao âmbito educacional. Profissionais das mais diversas áreas podem aproveitar os mapas para realizar planejamentos, estruturar projetos, criar propostas de valor, organizar pesquisas etc.

Vale lembrar que o cérebro humano processa as informações imagéticas com muito mais rapidez do que em texto. Isso quer dizer que, para nós, é mais fácil entender e memorizar algo que está representado em imagens do que ler um parágrafo com a mesma informação.

É por esse motivo que o mapeamento de conceitos é tão efetivo durante o processo de aprendizagem. Entre seus benefícios, estão:

  • Incentiva a discussão de conceitos abstratos e complexos;
  • Sintetiza ideias e informações para facilitar a compreensão;
  • Incentiva a descoberta de novos conceitos;
  • Contribui para o aprendizado coletivo;
  • Estimula a criatividade;
  • Ajuda a identificar áreas e assuntos que demandam mais análises.

Contudo, para aproveitar todas essas vantagens é preciso escolher o mapa conceitual correto para o objetivo que você busca. E é sobre isso que vamos discutir a seguir.

Tipos de mapa conceitual

Com o tempo, algumas pessoas viram que o mapeamento de conceitos podia trazer mais desvantagens do que vantagens. Ao tentar explorar conceitos muito complexos, os mapas ficavam visualmente poluídos e difíceis de compreender.

Além disso, muitas vezes, demorava-se mais tempo para construir a estrutura do que para analisar o conceito pretendido. Como solução a esses problemas, foram desenvolvidos modelos diferentes de diagrama conforme a intenção do indivíduo.

Veja, a seguir, quais são os principais tipos de mapas conceituais:

Fluxograma

O fluxograma é um tipo de organização visual linear, ou seja, que parte de um ponto inicial e segue na mesma direção até o ponto final. Esse modelo é simples e facilita a compreensão de assuntos menos aprofundados, que têm início, meio e fim, como os ciclos.

Veja, abaixo, um modelo de fluxograma da Venngage:

Mapa conceitual de fluxograma

Mapa hierárquico

Esse é o modelo mais usado pelas pessoas, construído de cima para baixo e partindo de um ponto central, do qual saem conceitos e definições. Ele é chamado de mapa hierárquico porque, quanto mais elevada estiver uma informação, mais importante ela é.

Veja um exemplo de mapa hierárquico sobre o tema “Apresentação de Marketing”, disponibilizado pelo site Creately:

Mapa conceitual no modelo hierárquico

Por priorizar o que é mais significativo, essa estrutura facilita a compressão. No entanto, talvez sua construção não seja tão simples, já que é preciso ordenar as ideias em graus de importância e identificar a relação entre os conceitos.

Mapa de sistemas

Os mapas conceituais de sistemas são semelhantes aos fluxogramas, apresentam setas mostrando a direção de onde parte a ideia e para onde ela vai, e começam a partir de um conceito principal.

Esse modelo é considerado o formato mais completo para apresentar informações e criar relações entre elas e outros conceitos, porque sua estrutura aceita diversas ramificações — tornando-o, normalmente, muito extenso.

Mapa conceitual de sistemas

Teia de aranha

Por fim, o modelo de teia de aranha também é estruturado a partir de uma ideia principal, mas que é representada no centro do diagrama. Essa disposição ajuda a entender conceitos mais gerais, que envolvem muitas informações igualmente importantes, mas desconectadas entre si.

Veja um exemplo de mapa conceitual de teia de aranha publicado pelo Storyboard That:

Mapa conceitual modelo teia de aranha

O mapa de teia de aranha, no entanto, não facilita a vida de quem deseja se aprofundar em determinado assunto, porque sua construção dificulta a percepção das relações entre os conceitos.

O que um mapa conceitual precisa ter?

Engana-se quem pensa que a estrutura do mapa conceitual é variável, fluida. Esse diagrama, para cumprir o seu propósito, deve apresentar alguns elementos obrigatórios para a compreensão das ideias e informações contidas nele.

Veja abaixo quais são esses elementos e o que não pode ficar de fora quando o assunto é mapeamento conceitual:

Conceito

Parece óbvio, mas durante a execução do diagrama pode ser que essa ideia se perca. O conceito, segundo o dicionário Caldas Aulete, é “o que se concebe sobre algo ou alguém no pensamento, na ideia; modo de pensar sobre algo”.

Por serem o tema central do mapa, eles são representados por meio de formas geométricas, normalmente um círculo ou um retângulo.

Conectivos

Também chamados de palavras de ligação, esses termos servem para imprimir a relação que se deseja estabelecer entre os conceitos descritos. Os conectivos são escritos nas linhas ou setas que interligam as informações e devem ser concisos, geralmente usando verbos que indicam ação, como “requer”, “causa”, “inclui” etc.

Hierarquia

Apresentar uma estrutura hierárquica é um elemento fundamental para a construção do mapa conceitual. Como ele deve ser lido sempre de cima para baixo, o conceito principal deve estar no topo do diagrama, seguido das ideias de menor importância.

Estacionamento

O estacionamento é uma lista com todos os conceitos-chave que você e sua equipe identificaram e que têm relação com a ideia principal do mapa. Ele deve ser feito partindo dos conceitos mais gerais para os mais específicos.

Links cruzados são as relações estabelecidas entre conceitos que ocupam patamares diferentes dentro da hierarquia. Eles servem para mostrar que nem sempre o pensamento é desenvolvido de forma linear e que mesmo conceitos distantes podem ter afinidade.

6 passos para fazer um mapa conceitual

Mais do que apenas apresentar informações e a relação entre elas, o mapa conceitual deve ser criativo, atraente e, claro, ajudar o indivíduo a entender um assunto. Para isso, é preciso seguir os passos abaixo:

1. Defina o tema

Escolher o assunto do mapa conceitual é o passo mais importante do processo — por isso mesmo, está em primeiro lugar na nossa lista. Para definir o tema é importante se perguntar o que precisa ser discutido ou qual processo da sua empresa, por exemplo, deve ser otimizado.

Faça uma lista de problemas que precisam ser resolvidos e, desses, selecione o principal, cuja resolução trará mais benefícios para a equipe. Essa será a sua palavra-chave principal, da qual partirão as demais ideias.

Imagine que um lojista notou que o número de carrinhos abandonados tem crescido nos últimos meses em sua loja virtual, impactando a receita do negócio. Para montar o mapa conceitual, a palavra-chave principal pode ser “abandono de carrinho”.

2. Reúna informações

A partir do tema que você deseja trabalhar, identifique conceitos-chave que se relacionam direta ou indiretamente com a ideia central. Organize-os partindo dos mais gerais para os mais específicos. Essa lista é chamada de estacionamento.

Considerando o nosso exemplo, elenque todas as informações relacionadas ao abandono de carrinho, as hipóteses sobre o que levou ao aumento desse número, o que mudou na sua empresa desde então, entre outras.

3. Selecione apenas o que é importante

Dados coletados, é hora de filtrar o que é realmente importante para sua análise. Saber priorizar vai ajudar você a enxergar a resposta para seus problemas com mais clareza, por isso, não se apegue aos tópicos listados.

4. Escolha o tipo de mapa e o meio de construção

Como você pôde notar, os tipos de mapa conceitual são usados conforme a complexidade do conceito trabalhado, ou seja, da palavra-chave escolhida. Usar um mapa hierárquico ou sistêmico para tratar de um tema simples tornará o seu diagrama superficial.

Do mesmo modo, usar um fluxograma para entender o problema do aumento no abandono de carrinho no seu e-commerce pode não ser uma escolha adequada. Essa é uma questão com vários desdobramentos, que não podem ser representados em um esquema tão simples.

Depois de definir o tipo de mapa conceitual, é necessário decidir de que modo ele será criado. Isto é, ele será construído em papel, em algum mural ou por meio de softwares? Mais adiante citaremos as ferramentas mais usadas para construir mapas, não perca!

5. Organize os conceitos

Chegou o momento de estruturar o diagrama, encaixando a palavra-chave e as demais informações em uma espécie de esqueleto. Não se esqueça de adicionar palavras ou frases de ligação entre elas para mostrar correlação.

Coloque as palavras dentro de círculos ou retângulos e use linhas e setas para interligá-las. Você vai notar que essa é a etapa mais trabalhosa do processo, mas é aqui que o seu mapa conceitual começa a nascer.

6. Revise seu trabalho

Por último, examine com cuidado todas as interações sinalizadas no diagrama e veja se não tem algum conceito solto ou incompatível com o esquema criado. Ainda é possível adicionar ou remover ideias, por isso, faça essa análise com um olhar aguçado.

Ferramentas para criar um mapa conceitual do zero

Mapas conceituais podem se tornar obras de arte bastante complexas e ramificadas, por isso muitas pessoas evitam construí-los manualmente. Uma alternativa viável e muito prática é usar ferramentas próprias para criar os diagramas.

Listamos as plataformas mais populares para fazer o mapeamento conceitual, confira:

Canva

Ajudante fiel dos entusiastas de design, o Canva é uma ferramenta completa, que permite criar panfletos, apresentações, cartões de visita, postagens para redes sociais e, claro, diagramas.

O editor de mapas conceituais do Canva permite personalizar as estruturas pré-configuradas, adicionar imagens, alterar cores e escolher diferentes fontes para enriquecer o projeto.

A ferramenta apresenta uma versão gratuita e planos mensais que partem de R$ 34,90 e podem chegar a R$110.

Creately

O Creately é um programa simples e intuitivo, com uma extensa galeria de templates que podem ajudar você a ter ideias de como o seu mapa conceitual pode ficar. Além disso, ele permite que muitas pessoas trabalhem simultaneamente na criação do esquema.

O modo gratuito do Creately permite criar apenas três diagramas e agrupá-los em uma única pasta. Caso você queira mais recursos, os planos custam entre US$ 6,95 e US$ 8 mensais, sem contar o modelo personalizado, cujo valor varia conforme a demanda do cliente.

Miro

O Miro é uma ferramenta para criar mapas conceituais criativos e totalmente online, pensado para equipes que desejam estruturar suas ideias e buscam inovação. Os diagramas da plataforma ajudam os times a organizarem as informações e visualizarem os conceitos mais complexos de forma simples e por meio do recurso de tela infinita.

Além da versão gratuita, é possível contar com os recursos do Miro pagando entre US$ 10 e US$ 20 por mês.

Xmind

O XMind é um software para criação de mapa conceitual e brainstorming. Ele pode ser usado para ter ideias, ordenar pensamentos, gerenciar informações complexas e possibilitar a colaboração da equipe.

A ferramenta não disponibiliza uma versão gratuita e os planos variam entre US$ 22,49 e US$ 39,99 por semestre.

Venngage

Segundo a Venngage, qualquer pessoa pode criar um mapa conceitual fácil de entender por meio da ferramenta. Há uma série de templates disponíveis para os usuários, além de vários recursos inteligentes e possibilidades de personalização.

A empresa disponibiliza a versão gratuita, mas também trabalha com planos mensais, trimestrais e anuais. As mensalidades custam entre US$ 19 e US$ 49.

SmartDraw

O SmartDraw é um software de computador que permite criar diagramas, organogramas, fluxogramas e cronogramas com facilidade e riqueza de detalhes. Ele oferece modelos prontos para mais de 70 tipos de diagramas diferentes.

É possível usá-lo gratuitamente durante o período de teste. Depois, os planos podem variar entre US$ 9,95 e US$ 2.995.

Qual a diferença entre mapa conceitual e mental?

Caso você já tenha visto ou interagido com um mapa mental, é bem provável que o tenha achado semelhante ao mapa conceitual. Embora a ideia inicial para ambos seja a mesma, os objetivos e a execução têm algumas diferenças.

O mapa mental é bastante amplo e sua estrutura é flexível, já que esse modelo é mais usado para memorização de um conteúdo acadêmico ou reflexão sobre comportamentos e sentimentos pessoais. Sua estrutura se baseia em uma ideia principal, descrita no centro, e outras palavras ou frases soltas relacionadas a ela.

O mapa conceitual, por sua vez, ajuda a hierarquizar as ideias e analisar uma teoria ou um conceito existente. Existe uma estrutura adequada para sua criação, por isso são comumente usados em empresas para identificar problemas e resolvê-los.

Em resumo, podemos dizer que mapas mentais, normalmente, representam ideias geradas internamente. Por outro lado, mapas conceituais exploram conceitos introduzidos externamente, como teorias ou sistemas existentes.

Como usar o mapeamento conceitual nas empresas?

Os mapas conceituais, além de serem usados na educação, também podem otimizar a rotina empresarial, como vimos em alguns exemplos. Por ser um processo coletivo, além de ajudar a entender conceitos e solucionar problemas, é uma ótima ferramenta de integração entre as pessoas.

O mapeamento permite que os membros da equipe analisem os processos internos e detectem pontos de melhoria em seu trabalho e no do time como um todo. A vantagem é que qualquer pessoa pode construir um diagrama conceitual, já que essa tarefa não requer nenhum tipo de conhecimento técnico.

Como exemplo, podemos dizer que o mapeamento consegue ajudar aquele lojista que ainda está em dúvida sobre o que vender para ganhar dinheiro na internet. Ou seja, é uma técnica inspiradora, que ajuda as pessoas a terem ideias

Ele também é uma excelente ferramenta para implementar uma ação, por exemplo, ajudando a elencar os passos para criar uma loja virtual.

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

Veja, a seguir, em quais situações o mapeamento conceitual pode ser usado nas empresas:

  • Identificar lacunas e gargalos nos processos internos;
  • Destrinchar conceitos complexos e que geram dúvidas;
  • Saber como oferecer um excelente atendimento ao cliente;
  • Compreender quais são as necessidades da empresa no momento;
  • Estruturar fluxos de caixa, fluxos de inventário e fazer planejamento de estoque;
  • Ajudar na tomada de decisões;
  • Arquitetar e executar análise de mercado;
  • Treinar novos colaboradores e aperfeiçoar as competências dos mais antigos;
  • Criar softwares e ferramentas necessárias à rotina de trabalho;
  • Otimizar o processo de venda;
  • Mapear o conhecimento da equipe;
  • Entre outras.

Pronto para criar seus mapas conceituais?

Os diagramas ou mapas conceituais são uma excelente ferramenta para ter ideias ou entender como os processos podem ser melhorados.

Está se preparando para criar o seu próprio mapa?

Se você ainda não deu o primeiro passo para começar a vender na internet, teste a Nuvemshop por 30 dias grátis! É fácil, rápido e sem a necessidade de conhecimentos técnicos. 💙

Aqui você encontra:

Perguntas frequentes

Mapa conceitual é um diagrama feito para representar de forma visual alguma ideia ou conceito, permitindo correlacioná-los. Ele pode ser construído manualmente ou com o auxílio de uma ferramenta gráfica.

  • Fluxograma;
  • Mapa hierárquico;
  • Mapa de sistemas;
  • Teia de aranha.

  • Conceito;
  • Conectivos;
  • Hierarquia;
  • Estacionamento;
  • Link cruzado.

  1. Defina o tema;
  2. Reúna informações;
  3. Selecione apenas o que é importante;
  4. Escolha o tipo de mapa e o meio de construção;
  5. Organize os conceitos;
  6. Revise seu trabalho.

  • Canva;
  • Creately;
  • Miro;
  • Xmind;
  • Venngage;
  • SmartDraw.

Faça como +90 mil lojas e
crie a sua Nuvemshop

Testar 30 dias grátis
Crie a sua loja na Nuvemshop

Quer mudar de vida vendendo pela internet?

Crie agora sua loja virtual com a Nuvemshop e venda de maneira profissional.

Criar minha loja

Nosso site utiliza cookies para te proporcionar uma melhor experiência. Ao acessar o site da Nuvemshop, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies