O que são cidades inteligentes e quais as principais smart cities do mundo?

Por: Victoria Salemi

Paisagem urbana de Londres, uma das principais cidades inteligentes do mundo

Cidades inteligentes, ou smart cities, são aquelas que fazem uso da tecnologia para promover o bem-estar de seus habitantes e o desenvolvimento socioeconômico. Elas se baseiam nos pilares da mobilidade, qualidade de vida, economia, sustentabilidade e governança.


Em um mundo cada vez mais conectado, é comum ouvirmos sobre a tecnologia auxiliando no dia a dia das pessoas. Mas você já ouviu falar em cidades inteligentes?

Esse é um conceito sobre o qual se começou a falar em meados da década de 1990, mas que vem ganhando força nos últimos anos. Isso porque mais e mais pessoas têm trocado a vida rural pela urbana.

De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2019, 50% da população mundial vivia em áreas urbanas. Para 2050, a previsão é que essa parcela chegue a 75%!

Nesse contexto, conhecer soluções que melhorem a qualidade de vida das pessoas e que colaborem com o meio ambiente é fundamental. Por isso, pensar no desenvolvimento das cidades inteligentes é tão importante.

Portanto, ao longo deste conteúdo, vamos entender o que são as smart cities e quais são os pilares da cidade inteligente. Também vamos conferir uma lista com as principais cidades nesses moldes do Brasil e do mundo. Então, siga a leitura!

Crie sua loja virtual e venda pela internet
Crie sua loja virtual e venda pela internet pelo seu computador

O que são cidades inteligentes?

Cidades inteligentes, ou smart cities, são aquelas que se apoiam no uso da tecnologia e da análise de dados para construir soluções eficientes na resolução de problemas que assolam os grandes centros urbanos.

O foco desse conceito é proporcionar melhor qualidade de vida para os habitantes, de modo que os recursos, naturais ou não, sejam usados de forma otimizada e sejam capazes de atender às demandas de cidades com cada vez mais moradores.

Para isso, é necessário desenvolver soluções integradas que possam solucionar problemas e propor saídas para questões de diversos pilares que compõem a vida nos grandes centros.

A seguir, vamos conhecê-los de acordo com as classificações criadas por duas instituições que trabalham com o estudo e desenvolvimento da smart city. Então, continue conosco!

Quais são os pilares das cidades inteligentes?

De modo geral, questões como mobilidade urbana, ações do poder público, bem-estar e meio ambiente compõem os pilares das cidades inteligentes.

Todavia, existem diferentes órgãos que estudam o assunto e apontam bases mais ou menos segmentadas das smart cities. Por esse motivo, a seguir, vamos conhecer duas das principais classificações:

Pilares definidos pelo Instituto das Cidades Inteligentes (ICI)

O Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) fica em Curitiba (PR) e é uma organização que se dedica ao estudo e desenvolvimento de tecnologias e ações inteligentes para os centros urbanos desde 1998.

Os pilares que o ICI define são:

  • Mobilidade: cidades inteligentes devem tornar a mobilidade urbana sustentável e eficiente, de modo a diminuir o tempo de deslocamento dos moradores diariamente e reduzir congestionamentos e a emissão de gases poluentes;
  • Qualidade de vida: o bem-estar de todos os moradores da smart city deve estar no centro da tomada de decisões e da implementação de novas tecnologias;
  • Economia: as ações devem ser planejadas de modo a promover o desenvolvimento econômico dos centros urbanos;
  • Sustentabilidade: a preocupação com o meio ambiente também precisa constar entre as prioridades no uso da tecnologia e de dados para tornar as cidades inteligentes;
  • Governança: ações do poder público capazes de criar e integrar soluções na smart city.

💡 Saiba mais: O que é logística verde e como ela funciona?

Pilares definidos pela IESE Business School

Outro órgão que se dedica a estudar as smart cities pelo mundo é a IESE Business School. A universidade espanhola criou uma plataforma que conecta especialistas em desenvolvimento urbano de todo o mundo para discutir soluções inteligentes, a IESE Cities in Motion Strategies (“Estratégias para cidades em movimento IESE”, em tradução livre).

No documento que forma as bases desse estudo, publicado em 2020, os pilares definidos são:

Planejamento urbano

Cidades inteligentes precisam ter espaços verdes e de convivência bem planejados para garantir o crescimento controlado e ordenado.

Mobilidade e transporte

O maior desafio nas smart cities é facilitar o movimento das pessoas no território e garantir o acesso aos serviços públicos de transporte.

💡 Saiba mais: O que é transporte sustentável e quais as vantagens?

Meio ambiente

O desenvolvimento sustentável, ou seja, aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer o futuro, é fundamental para uma cidade inteligente.

Governança

As iniciativas do poder público devem guiar e cooperar com o desenvolvimento das smart cities. A ideia é promover ações que estimulem e possibilitem que as cidades se tornem inteligentes.

Economia

Esse fator acaba sendo priorizado no desenvolvimento de boa parte das cidades e, no caso da smart city, ele deve andar em conjunto com as outras bases.

Coesão social

Esse conceito das cidades inteligentes diz respeito à inclusão social e à diversidade na cidade inteligente, de modo a criar uma noção de pertencimento em todos os cidadãos.

Capital humano

Uma cidade inteligente deve ser capaz de atrair e reter talentos, criando planos para melhorar a educação e promover a criatividade e a pesquisa. Para isso, é necessário investir em cultura e ensino.

Projeção internacional

Trabalhar o branding da cidade inteligente colabora para atrair investimentos e turismo, de modo a estimular o desenvolvimento econômico.

Tecnologia

Por fim, mas não menos importante, temos o pilar que acaba sendo o mais óbvio. Para promover os tópicos pelos quais já passamos, as smart cities devem contar com a tecnologia da informação e comunicação para conseguir otimizar todos os seus processos.

Principais smart cities do mundo

Juntamente com o documento em que define os pilares das cidades inteligentes, a IESE publicou um ranking dos 174 centros urbanos melhor classificados. A lista foi gerada a partir de uma pontuação com base nos nove elementos definidos pela instituição como fundamentais nas smart cities.

Confira o top 10:

  1. Londres (Reino Unido);
  2. Nova York (Estados Unidos);
  3. Paris (França);
  4. Tóquio (Japão);
  5. Reykjavik (Islândia);
  6. Copenhague (Dinamarca);
  7. Berlim (Alemanha);
  8. Amsterdã (Holanda);
  9. Singapura;
  10. Hong Kong (China);

Quais são as cidades inteligentes no Brasil?

Apesar de não estarem entre as primeiras colocadas no ranking da IESE Business School, o Brasil conta com seis representantes nessa lista. Então, vamos conhecer as nossas cidades inteligentes:

  • São Paulo (123ª posição): entre os pontos de destaque da capital paulista, estão a coesão social, a economia e a projeção internacional;
  • Rio de Janeiro (132ª posição): os cariocas se destacam pela projeção internacional e pela coesão social;
  • Brasília (135ª posição): na capital nacional, coesão social e economia são os pontos fortes;
  • Curitiba (138ª posição): a capital paranaense também tem boa pontuação na coesão social e, entre as brasileiras, é a que aparece melhor colocada em relação ao meio ambiente;
  • Belo Horizonte (156ª posição): BH tem, como pontos fortes, a coesão social e a economia;
  • Salvador (157ª posição): a primeira capital brasileira tem boas projeção internacional e coesão social.

Além das cidades do nosso país que aparecem nessa classificação internacional, o Brasil conta com a primeira cidade inteligente planejada nesses moldes desde o seu surgimento. É a Laguna Smart City, que fica no município de São Gonçalo do Amarante, no Ceará.

Nesse distrito, foram criados, entre outras soluções:

  • Um sistema de iluminação pública inteligente;
  • Blocos fotovoltaicos para a geração de energia elétrica;
  • Ilhas de recarga para veículos elétricos;
  • Espaços comunitários para feiras e atividades sociais.

Vale ressaltar, no entanto, que essa é uma iniciativa privada, não do poder público.

Resumo

Viu como é importante planejar e desenvolver cidades inteligentes? Esperamos que este conteúdo tenha te ajudado a entender esse conceito, bem como a sua importância para o planeta hoje e no futuro. 🌍🌱

Antes de encerrarmos, confira um resumo sobre o artigo:

O que são cidades inteligentes?

Cidades inteligentes, ou smart cities, são aquelas que fazem uso da tecnologia para promover o bem-estar e o desenvolvimento socioeconômico. Elas se baseiam nos pilares da mobilidade, qualidade de vida, economia, sustentabilidade e governança.

Principais smart cities do mundo

  1. Londres (Reino Unido)
  2. Nova York (Estados Unidos)
  3. Paris (França)
  4. Tóquio (Japão)
  5. Reykjavik (Islândia)
  6. Copenhague (Dinamarca)
  7. Berlim (Alemanha)
  8. Amsterdã (Holanda)
  9. Singapura
  10. Hong Kong (China)

Cidades inteligentes no Brasil

  • São Paulo (123ª posição no ranking mundial)
  • Rio de Janeiro (132ª)
  • Brasília (135ª)
  • Curitiba (138ª)
  • Belo Horizonte (156ª)
  • Salvador (157ª)
  • Laguna Smart City (projeto pioneiro no Ceará)

Quer vender pela internet e contar com soluções de frete, como a Kangu, que colaboram com as cidades inteligentes? Teste a Nuvemshop por 30 dias grátis e descubra como a nossa plataforma pode ajudar o seu negócio a decolar. É fácil, rápido e sem a necessidade de conhecimentos técnicos! 💙

Aqui você encontra:

Faça como +90 mil lojas e
crie a sua Nuvemshop

Testar 30 dias grátis
Crie a sua loja na Nuvemshop

Quer mudar de vida vendendo pela internet?

Crie agora sua loja virtual com a Nuvemshop e venda de maneira profissional.

Criar minha loja

Nosso site utiliza cookies para te proporcionar uma melhor experiência. Ao acessar o site da Nuvemshop, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Cookies