28/09/2016

Como superar o desafio de gerenciar empresas familiares

Tabuleiro de jogo de xadrez

Existem cerca de milhares de empresas familiares no Brasil, mas poucas delas conseguem separar a sala de jantar da sala de reuniões. Essa pode ser a receita não somente para uma simples briga de família, mas também para prejudicar o andamento do negócio.

A Entrepeneur realizou uma entrevista com Rachel Shelasky – presidente da Hollywood Fourth, uma empresa de 4 gerações baseada no design de roupas em Nova York. Enquanto os irmãos de Shelasky decidiram se dedicar a outras carreiras, “sobrou para ela”, com 33 anos, trabalhar ao lado do pai Edward. E ela diz gostar de se sentir parte de algo que seu bisavô começou em 1907.

A Consultora de Negócios Familiares Karen Calcango diz que o conhecimento passado através de gerações pode ser a força de qualquer negócio familiar. Por outro lado, empresas assim podem apresentar alguns desafios únicos: delegação indevida de deveres e funções, deveres e funções indefinidos, responsabilidades e relações familiares que trazem emoções e com isso podem causar péssimas decisões empresariais.

Se você está em um negócio com seus parentes, siga estas dicas para fazer seu empreendimento prosperar.

1. Jogue com os pontos forte de cada membro da família

Calcango diz que estabelecer limites e ter funções, deveres, responsabilidades e autoridade claramente definidos podem determinar se uma empresa familiar irá ter sucesso ou falir. “Em um negócio familiar, a ordem é ainda mais importante do que em qualquer outro tipo de negócio, pois você possui vários fatores que podem te direcionar a decisões erradas, como a emoção” – diz ela.

Enquanto Shelasky cuida do lado do design e da aquisição de clientes, o pai cuida de manter o livro de controle e deveres da Hollywood Uniforms, sua outra empresa (parente da Hollywood Fourth). “Eu trabalho com muitas empresas de variados segmentos, desde entrega de alimentos e empresas de biscoitos customizados (cookies)” – diz Shelasky, enquanto seu pai trabalha em uniformes para porteiros e vestes para igreja (para ela, “as coisas chatas do trabalho”).

2. Mantenha assuntos pessoais fora do negócio

Os membros da família costumam ter pontos de vista sobre o negócio que outros parceiros de fora não teriam, cruzando a linha profissional e o tentador terreno pessoal. Enquanto o fato de agredir um colega se torna algo impossível quando em relações profissionais, Shelasky admite que é mais fácil perder o controle quando há algo pessoal envolvido.

“Você diz coisas para seus parentes que não diria para qualquer outra pessoa” – menciona. Deixe suas emoções na porta do trabalho e lembre seus familiares de que são apenas colegas de trabalho quando estão no escritório.

3. Seja compreensivo com a diferença entre as gerações

Enquanto Shelasky e seu pai têm um ótimo relacionamento, ambos concordam que a diferença entre as gerações às vezes cria alguma tensão. “Meu pai usa uma máquina de escrever de 1950 para imprimir faturas, devido a isso, tem que fazê-lo toda vez que deseja uma impressão. Ele diz que sente falta do papel e eu sempre pergunto ‘por que você não faz isso pelo computador?’” – comenta Shelasky frustada.

Embora existam alguns conflitos, Shelasky aprecia a sabedoria que seu pai agrega para o negócio e diz que as antigas e novas formas de fazer as coisas criam um equilíbrio entre os clientes antigos e os novos, fazendo a empresa ter uma grande aceitação entre os dois públicos.

4. Separe um tempo para ser profissional e outro para ser pessoal

Embora já agindo de forma profissional no trabalho e pessoal em casa, a maioria das empresas familiares não conseguem separar 100% as duas vertentes, operando em ambos os níveis em todos os momentos. “O negócio tem que operar de uma forma e a família de outra” – diz Calcango, que recomenda a elaborações de limites de tempo para discussões de negócios na mesa de jantar, permitindo que todos os envolvidos da família tenham uma pausa de assuntos relacionados ao trabalho.

Embora Shelasky já não more mais com seus pais, diz que muitas vezes “foge” para um café para evitar a família no ambiente de trabalho. “Nós passamos muito tempo juntos” – diz, embora admita que valoriza a relação que tem com seu pai ao trabalhar na empresa da família, e que não trocaria isso por nenhum outro modo de trabalho corporativo.

5. Aproveite! Seu negócio é especial

Apesar de eu dizer mais contras do que prós aqui, um negócio familiar se identifica com seus clientes, já que eles também possuem família. Cria uma relação que as mega corporações tentam desenvolver mas não conseguem: aquela sensação de estar fazendo negócio com seu vizinho, no qual você confia e a quem convida para tomar um café. Meu conselho é você investir nisso: no atendimento pessoal, em chamar seus clientes pelo nome e conhecê-los de verdade.

Além disso, empresas familiares possuem individualidade de mercado, pois nenhuma outra tem as mesmas características e valores. Separe o profissional do pessoal mas lembre-se também de que sua empresa possui não somente dificuldades mas também vantagens individuais.

Publicado originalmente por Goomore.

Data da última atualização: 16/03/2018


O que você achou desse conteúdo?


Réulison Silva

Réulison Silva é CEO e fundador da Goomore, webdesigner developer, analista de links patrocinados com certificação Google AdWords e Google Analytics, consultor de mídias sociais e growth hacker.


    como-superar-o-desafio-de-gerenciar-empresas-familiares