09/03/2017

14 personagens de séries que podem ensinar sobre liderança – Parte II, maus líderes

Walter White

Na primeira parte do artigo “14 personagens de séries que podem ensinar sobre liderança”, trouxemos oito exemplos de bons líderes e seus ensinamentos. Nesta segunda parte, contudo, chegou a hora de mostrar o outro lado da moeda: os maus líderes!

A seguir, você vê uma lista de seis personagens de séries que passam longe de serem exemplos de liderança. Preparado? Vamos à leitura:

ALERTA: este texto contém MUITOS spoilers

Maus líderes

9. Walter White (Breaking Bad)

Walter White é um personagem curioso e que pode causar sentimentos controversos nas pessoas. Eu “odeio” ele, por exemplo, mas conheço gente que adora.

Para quem não assistiu Breaking Bad, aqui vai um breve resumo: White é um gênio da química, mas por uma série de más escolhas ao longo da vida acaba se tornando um professor do ensino médio. Como a maioria dos professores de ensino médio, ele ganha pouco, e, para sustentar a família, tem que fazer dupla jornada trabalhando num lava-rápido. A coisa piora quando ele descobre que tem câncer e, sem dinheiro para custear o tratamento, resolve fabricar metanfetamina junto com um de seus ex-alunos. Devido à sua genialidade, White consegue produzir uma droga extremamente pura e, por consequência, começa a ganhar muito dinheiro com isso.

Esse é o pano de fundo de Breaking Bad, e com ele já podemos aprender uma coisa super importante: nunca vendam drogas, ok? Nem nada que seja ilegal! 😉

E onde entra a liderança aí? Bem, Walter não é exatamente um líder inspirador. Emocionalmente instável, ele começa seu “empreendimento” com um sócio (Jesse Pinkman, seu ex-aluno), mas não tem muita paciência para ensiná-lo. Seus feedbacks passam longe de serem construtivos. Pelo contrário, a maioria é bem destrutiva e não contribui em nada para o crescimento do garoto.

No mais, Walter é arrogante e sempre pensa nele em primeiro lugar. O importante é alcançar seu objetivo, que vai além do dinheiro para bancar o tratamento, e sim ter sua genialidade finalmente reconhecida. Para isso, de acordo com a lógica do protagonista, os fins justificam os meios, e ele é capaz de tudo para chegar onde quer.

Bem, quem assistiu a série sabe como isso acaba, mas, independente disso, não seja um líder arrogante, tenha paciência com seus liderados e saiba guiá-los com feedbacks construtivos. Um bom líder precisa ser empático e inspirador, duas coisas que Walter White definitivamente não é. Por fim, jamais pegue atalhos duvidosos para alcançar seus objetivos. Walter pode ter conseguido o reconhecimento que sempre sonhou, mas será que o caminho que ele escolheu era o único possível?

*O vídeo está em inglês, mas você pode ativar legendas clicando no canto do vídeo na engrenagem, depois em subtitles.

10. Jay Pritchett (Modern Family)

Em Modern Family, Jay Pritchett é o líder de uma família que tem de tudo – o casal gay, a gringa sexy que casa com o velho rico e a família tradicional que parece normal mas é toda bagunçada.

Como líder de família, tenho que dizer que ele é muito bom, afinal, ele é o elo que mantém todos unidos. No entanto, no trabalho Jay pode ser considerado um líder ultrapassado. E por ultrapassado digo que ele é ruim gerenciamento pessoas, porque, na prática, ele tem um negócio de sucesso – a empresa de armários Pritchett Closets and Blinds.

Jay é o popular chefe à moda antiga, ou seja, é aquele cara centralizador que manda em tudo e em todos. Em determinado momento da série você descobre que ele nem sequer conhece as pessoas que trabalham com ele. Que tipo de líder não conhece a sua própria equipe? É claro que isso acaba gerando comentários nos corredores da empresa e Jay é visto como o dono mala que ninguém gosta.

Uma boa liderança, sobretudo de uma grande empresa, requer que seu líder confie em seus comandados e saiba delegar tarefas. Para isso você precisa conhecer sua equipe, suas qualidades e defeitos. Só assim poderá distribuir o trabalho para as pessoas certas e/ou mostrar a elas como fazê-lo.

11. Piper Chapman (Orange is The New Black)

Piper Chapman é uma personagem que me lembra muito Walter White. Em Orange is The New Black, ela vai presa por se envolver em uns esquemas ilegais e tem que aprender a viver o dia a dia da penitenciária feminina de Litchfield.

Com o tempo, Piper vai entendendo como funciona a dinâmica da cadeia e começa a se tornar uma pessoa respeitada. Em determinado momento da trama, ela assume um empreendimento ilegal dentro de Litchfield em que outras presas trabalham para ela.

Como líder, no entanto, Piper só pensa nela e no crescimento do seu negócio, sem entender as necessidades de suas “funcionárias” e se preocupar se elas estão satisfeitas. E como funcionário insatisfeito é funcionário improdutivo, Piper começa a enfrentar uma série de contratempos para gerenciar sua “empresa”, o que não acaba exatamente bem para ela.

Adaptando para o nosso mundo, se você ocupa um posto de liderança é fundamental ser empático e se preocupar com as pessoas. Coloque-as em primeiro lugar e entenda que no fundo elas que levam um empreendimento adiante. Fazendo isso, você terá mais chances de ter esse carinho retribuído em trabalho e, além de ter um ambiente mais sadio, terá também funcionários mais produtivos.

12. Dr. Gregory House (House)

Na série House M.D.Gregory House é o líder de uma equipe de médicos que busca diagnósticos para casos aparentemente insolucionáveis. Seu estilo de liderança é um clássico – o chefe abusivo que usa do seu poder e inteligência para intimidar seus subordinados.

Ele pode até ser bem intencionado ao se utilizar de jogos mentais para fazer com que sua equipe pense fora da caixa e assim evolua, mas num geral eu classificaria seu estilo como destrutivo. De fato até acredito que esse perfil de liderança possa funcionar com algumas pessoas, mas a maioria delas reage bem mal a esse “incentivo inspiracional”. Na série até que funciona, mas nem sempre séries retratam a vida real…

É muito comum, sobretudo no mundo dos esportes e da música, conhecermos histórias de pessoas que se tornaram brilhantes apenas porque tiveram mentores que conseguiram extrair o máximo delas através dessa liderança intimidadora (o filme Whiplash conta uma história super legal, ainda que fictícia, sobre isso). Como disse acima, todavia, nem todo mundo lida bem com esse tipo de estímulo.

Ou seja, se assim com o Dr. House você é adepto desse tipo de liderança, sugiro que repense seus conceitos. Caso contrário, tenho certeza que ninguém vai querer ficar muito tempo na sua equipe e, de quebra, você vai ficar conhecido como o chefe chato que ninguém suporta.

13. Stannis Baratheon (Game of Thrones)

Já falei muito de Game of Thrones na primeira metade deste artigo, portanto, vou pular a parte em que introduzo a história. Se quiser saber mais, é só dar uma lida na Parte I.

Bem, em GoT, Stannis Baratheon é o cara que tem o direito ao trono após a morte do rei. Ele, portanto, faz o que qualquer um faria se estivesse em seu lugar e vai atrás da coroa. Acontece que Stannis tem uma péssima característica para um bom líder: a insegurança.

Essa insegurança faz com que ele ignore a realidade e confie cegamente na mulher de vermelho, uma mulher (ah, vá!) que aparentemente tem dons sobrenaturais de prever o futuro – e que tem certeza de que ele é o “prometido” ao trono. A plena confiança de Stannis nessa mulher faz com que ele cometa uma dezena de erros que culminam com a sua morte.

Com Stannis Baratheon, portanto, aprendemos que nunca devemos deixar que o achismo guie o nosso julgamento. Você pode até confiar nos seus instintos e utilizá-los como uma ferramenta de suporte, mas nunca deixe que eles sejam protagonistas.

Aqui na Nuvem Shop, um dos valores que buscamos transmitir para a nossa equipe é o de ser metric-driven, ou seja, incentivamos que as pessoas procurem sempre utilizar os números para tomar decisões e entender, através deles, como vamos medir o sucesso de cada projeto. Se quiser saber mais sobre os nossos valores, clique aqui! 😉

14. Carrie Mathison (Homeland)

Carrie é uma das minhas personagens preferidas entre todas as séries que eu já assisti. Ela é carismática, inteligente, durona e, como todo bom personagem, um pouco louca. Bastante louca, na verdade…

E o que uma personagem assim faz na lista de maus líderes? Antes de mais nada, Homeland se passa num cenário bem atual em que Carrie é uma agente da CIA que luta contra o terrorismo – algo bem americanóide mesmo! E pra lutar contra o mal que ameaça o mundo, ela está sempre num lugar perigoso onde um passo em falso pode significar a morte.

Acontece que Carrie faz uma linha meio Stannis e tende a confiar muito no seu instinto. Some isso à sua extrema impulsividade e pronto, temos uma pessoa com péssimas qualidades de liderança. Por sorte, ela conta com o poder do protagonismo e continua viva até hoje mesmo depois de inúmeras temporadas se colocando (e colocando a vida dos outros) em risco.

Gostou?

Espero que você tenha gostado do artigo 🙂

E você, já trabalhou com algum líder ruim que só te dava dor de cabeça? Compartilhe sua experiência com a gente!

Se você ainda está na fase de se tornar líder, que tal começar a montar o seu negócio hoje? Para isso, te convido a criar uma loja virtual na Nuvem Shop e aproveitar os nossos 15 dias grátis. Mas vê se segue os conselhos dos líderes certos, ein? 😉

Data da última atualização: 29/08/2018


O que você achou desse conteúdo?


Bruno Fernandes

Bruno é jornalista e responsável pela estratégia de conteúdo do blog e da Universidade do E-commerce da Nuvem Shop. É viciado em esportes, sobretudo basquete, e assiste 500 séries de TV ao mesmo tempo.

14-personagens-de-sries-que-podem-ensinar-sobre-liderana-8211-parte-ii-maus-lderes